Ouça agora

Destaques

Locais/Regionais

Compartilhe agora

Rapaz, tem nada mais!

Postado em 27/04/2024 por

Feature image

*Fonte imagem : José Antônio Rezzardi*


Lá pelos idos de 1960, pra ir de São João à Vila Paraíso só pela estrada de chão batido. E que chão! Quando chovia ficava liso tipo sabão. Dez km por dentro da mata nativa, chamada de “ouro verde” pela riqueza de pinheirais e de tantas outras espécies que já não existem mais.

Havia na margem direita a serraria do “Colete” e, lá na frente, à esquerda, a do “Panhosato”. Na Vila, a “Tissó”, a do “Primo” e a do “Penca”. Eram empresas que movimentavam a região com muita gente trabalhando, bois arrastando, caminhões chegando com toras e outros saindo com tábuas.

Em frente à bodega do “Varcino” formava-se uma longa fila de caminhões carregados esperando a chuva parar e a estrada secar para poder viajar.

Rapaz, não tem nada mais. A Vila está vazia, todavia, o cemitério está lotado de gente daquele tempo: amigos, avós, tios, pais…

Volto lá com frequência para reviver o meu tempo de criança com saudosa lembrança. Sofro calado com a dor do amor… que não tenho mais. Resta só o pinheiro que plantei em 1964, atrás do portão da nossa casa de madeira de pinho e coberta com tabuinhas.

Rapaz, fico sempre acabrunhado quando vejo o meu querido vilarejo.

Por José Antônio Rezzardi (Toninho)

Deixe um comentário

Ao enviar um comentário você concorda com nossas politicias de comentários, saiba no link ao lado. política de comentários

quatro + 19 =