Ouça agora na Rádio

N Notícia

Ilustrativa/Internet

FOTO: Ilustrativa/Internet

Mulher é picada por cobra em Vila Paraíso interior de São João

A equipe médica diz que a espécie do animal não foi identificada

Uma senhora de 81 anos foi picada por uma cobra no Distrito de Vila Paraíso interior do município de São João na manhã desta terça feira 05 de fevereiro. O fato ocorreu entre 8 ou 9 horas da manha. Acredita-se que a cobra é uma Jararaca (nome científico: Bothrops jararaca), porém a equipe medica diz que a espécie do animal não foi identificada. Segundo informações a senhora foi conduzida ao pronto atendimento de São João (PA) e na seqüência foi conduzida a Pato Branco onde deu entrada na UTI (Unidade de terapia Intensiva) sendo que recebeu os cuidados necessários e a mesma recebeu alta da UTI mas continua internada na Policlínica em Pato Branco. Também segundo informações na manhã desta quarta feira 06 de fevereiro o filho da senhora foi até o local e encontrou duas cobras no mesmo lugar.

Segundo o Wikipedia a Organização Mundial da Saúde incluiu recentemente o ofidismo (acidentes provocados por serpentes venenosas) como uma doença tropical negligenciada. No Brasil, as picadas de jararaca (Bothrops jararaca) respondem por cerca de 90% do total de acidentes com humanos envolvendo serpentes. O veneno da jararaca pode provocar lesões no local da picada, tais como hemorragia e necrose que podem levar, em casos mais graves, a amputações dos membros afetados. Entretanto, o cientista brasileiro Mauricio Oscar da Rocha e Silva isolou da peçonha dessa serpente o BPP (peptídeo potencializador da bradicinina). Esse composto serviu, nos anos 60, para o farmacologista Sérgio Henrique Ferreira, que desenvolveu o Captopril, medicamento usado para o tratamento de hipertensão e casos de insuficiência cardíaca. Atualmente, grupos da Universidade de São Paulo e da Universidade Federal do Rio de Janeiro estudam outras propriedades do veneno da Bothrops jararaca com possíveis efeitos contra doenças neurodegenerativas e trombose.

A jararaca vive em ambiente preferencialmente úmidos, como beira de rios e córregos, onde também se encontram rato e sapos, que servem de alimento ao animal. Dorme durante o dia debaixo de folhagens secas e úmidas, e gosta de tomar sol pós chuva.

Em caso de acidente não se deve amarrar o membro ferido, pois pode complicar a circulação do sangue, causando necrose. Também não se deve cortar o local da picada, o corte pode aumentar o risco de infecção no local, além de poder causar hemorragia. Não deve chupar o local da picada, após a inoculação é impossível retirar o veneno. Não pode em hipótese alguma colocar pó de café, ervas ou querosene no ferimento, isso pode provocar infecção no local e jamais oferecer álcool e outras bebidas do gênero ao acidentado, isso pode causar intoxicação.

FONTE: Redação Rádio São João AM
Link Notícia