Ouça agora na Rádio

Ouça agora

Filhote de onça-parda é encontrado em situação de risco às margens do Rio Chopim

Filhote de onça-parda é encontrado em situação de risco às margens do Rio Chopim

Postado em 20 de abril de 2021 por

Compartilhe agora
Foto: Usina Hidrelétrica Paranhos.

O Instituto Água e Terra (IAT) recebeu solicitação para ajudar no atendimento a um filhote de onça-parda, encontrado sem a mãe e em situação de risco, na margem do Rio Chopim, no município de São Jorge do Oeste, na semana passada. Por ter pouco tempo de vida, a orientação foi encaminhá-lo ao zoológico de Cascavel, após cumprido o período de verificação da presença da mãe próximo ao local, que foi descartada. Depois de encontrar um novo lar para o filhote, o IAT trabalha na emissão da autorização de transporte do animal, que deve acontecer nesta semana.


De acordo com a chefe do Setor de Fauna do instituto, a bióloga Paula Vidolin, a decisão de encaminhar o animal a um cativeiro deve-se à idade que ele apresenta. “Trata-se de um filhote, extremamente novo, que não teve o tempo necessário de aprendizagem junto à mãe, como caçar e sobreviver sozinho. Por conta disso, ele não terá condições de retorno para seu habitat natural, mas sabemos que ele receberá todo o cuidado necessário no zoológico”, afirma.


O filhote foi encontrado nos arredores da Usina Hidrelétrica Paranhos. A empresa Energias Renováveis Mazp, proprietária da usina, se colocou à disposição para dar apoio e garantir o bem-estar do animal no transporte até a cidade de Cascavel. A distância é de aproximadamente 165 quilômetros. Onça-parda – O filhote é uma fêmea, cuja espécie consta na lista vermelha da fauna ameaçada no Paraná, como vulnerável. Ela foi resgatada por Jair Nogueira, um dos proprietários da usina.


O animal recebeu os primeiros atendimentos dos biólogos Vanderlei Ferreira de Araújo e Amanda Flor Ulbinski, funcionários da Rio Chopim Energia, gestora do monitoramento ambiental do local. O filhote foi deixado em um cercado para tentar atrair a mãe com sua vocalização e odor, mas a tentativa não teve êxito.


Os biólogos, então, entraram em contato com o IAT para obter suporte. “Nós fizemos o monitoramento e os primeiros cuidados e conseguimos achar esse cativeiro com a ajuda do IAT. Ela emitiu sons, mas a onça mãe infelizmente não foi encontrada”, disse o biólogo Vanderlei Ferreira de Araújo.


Fonte: Assessoria via PPNEWS

Deixe um comentario

Estamos felizes por você ter optado por deixar um comentário. Lembre-se de que os comentários são moderados de acordo com nossa política de comentários.